Quem sou eu

Minha foto
Poeta - escritor - cronista - produtor cultural. Professor de Português e Literaturas. Especialista em Estudos Literários pela FEUC. Especialista em Literaturas Portuguesa e Africanas pela Faculdade de Letras da UFRJ. Mestre em Literatura Portuguesa pela UFRJ. Nascido em Goiás, na cidade de Rio Verde. Casado. Pai de três filhos.

terça-feira, 23 de dezembro de 2014

Poema: "Véspera" - Erivelto Reis

(V) ésper (a)...
Erivelto Reis

Esvaziada de magia
A noite quente tão fria
De vinho barato e abraços rasos...
Esmagada, como rabanada de anteontem,
Pisca, à luz da incerteza,
A esperança que viria.
Temo que daqui a alguns anos
Papai seja o varejo,
Noel, um novo cantor sertanejo.
E a ceia seja o receio
Do prato fundo cheio
Que não veio.
Entre a lágrima e o presente
Que intensões,
Que desejos se escondem?!
Queria mudar o mundo
Com a canção do John Lennon,
Com a versão da Simone,
Com as canções do Roberto...
Agora vejo que não chegamos nem perto!
Que nessa noite de festa
Haja afeto,
Não só farra;
Haja gente, haja jeito,
Muito amor em cada encontro.
Não somos restos de códigos de barra...
Que cada qual seja, não só tenha,
Que cada qual agradeça, não só peça.
Sejamos humanos, livre de planos,
Tramoias e garras...
E não papéis de presentes, verniz social reluzente,
Teatro de marionetes-ventriloquares
Há muitas casas decoradas
É preciso mais amor em muitos lares.

É preciso mais amizade nos corações e olhares.

Nenhum comentário:

Postar um comentário