Quem sou eu

Minha foto
Poeta - escritor - cronista - produtor cultural. Professor de Português e Literaturas. Especialista em Estudos Literários pela FEUC. Especialista em Literaturas Portuguesa e Africanas pela Faculdade de Letras da UFRJ. Mestre em Literatura Portuguesa pela UFRJ. Nascido em Goiás, na cidade de Rio Verde. Casado. Pai de três filhos.

terça-feira, 13 de dezembro de 2016

Poema: "Presságio", de Erivelto Reis

PRESSÁGIO
Erivelto Reis
Para os meus alunos e alunas
que tiveram dificuldades esse ano

Não há nada que eu ofereça,
Nessa etapa da jornada,
Que sinalize seu caminho,
Que pavimente a sua estrada.
Posso dizer um adeus, um até logo, até breve...
Pedir, pública ou silenciosamente,
Que os bons ventos te levem:
Preservem-te no que houver de melhor.
É pouco antes da noite,
A maré sobe lentamente,
E a areia, escaldante, arrefece...
Padece o professor que se despede
Do aluno que não soube ser discípulo,
E, mais ainda, daquele que de há muito superou o mestre!
Nessa praia só há horizonte e profundidade
Uma única escolha de futuro ou de naufrágio...
“Que os bons ventos te levem”
Repito, ao longe, num presságio.

Não há nada que eu ofereça...

Nenhum comentário:

Postar um comentário